quarta-feira, 18 de maio de 2011

Irmã Dulce dormiu por 30 anos numa cadeira para cumprir promessa

O 'Anjo bom da Bahia' e os irmãos, durante sua Primeira Comunhão. A religiosa dormiu numa cadeira por 30 anos por causa de sua irmã, Dulcinha

As curiosidades sobre a vida e obra de Irmã Dulce, que será beatificada no próximo dia 22, em Salvador (BA), são inúmeras. A religiosa, que não media esforços para ver os mais necessitados felizes, chegou a dormir por 30 anos numa cadeira de madeira para cumprir uma promessa.
A penitência foi feita em agradecimento à recuperação de sua irmã Dulcinha que, em 1955, teve uma gravidez de alto risco e podia morrer. “Ela cumpriu essa promessa por 30 anos, com muita dificuldade porque tinha um enfisema pulmonar. Em 1985, os médicos convenceram-na de quebrar a penitência devido ao estado de saúde. Mas foi difícil, ela não queria”, partilhou o assessor de Memória e Cultura das Obras Sociais Irmã Dulce (Osid), Osvaldo Gouveia.



Acesse
.: Editoria especial da beatificação de Irmã Dulce

.: Saiba mais sobre a vida e obra da religiosa



Segundo o assessor, que há 16 anos estuda a vida da religiosa, o 'Anjo bom da Bahia' dormia no máximo quatro horas por dia e costumava dizer que gostaria de não precisar descansar, pois assim teria mais tempo para ajudar os pobres. “Irmã Dulce vivia a radicalidade em todos os momentos. Fazia jejum, sacrifícios e passou também por muita humilhação, pois tinha um objetivo bem definido: entendia a humilhação como um crescimento espiritual”, completou.



A futura beata brasileira começou cedo a fazer caridade, precisamente aos 13 anos, depois de visitar uma favela no interior da capital baiana. Nos seus quase 78 anos de vida, dedicou todo seu tempo aos mais necessitados, exercendo a missão de “amar e servir”, que se tornou o lema de suas obras. Extremamente bem humorada, Irmã Dulce chegou a tocar acordeon e a cantar nas ruas de Salvador para arrecadar dinheiro.



“Irmã Dulce é a brasileira que eu conheço que mais venceu barreiras e quebrou paradigmas. Ela criou o bandejão, em 1950, para dar comida aos pobres; criou a rede de aleitamento materno; fundou cinemas. Era uma grande empreendedora!”, acrescentou Gouveia, que acredita que a maior virtude da religiosa é a perseverança.



Insistência em amar e servir



A pequena e franzina Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes herdou o espírito solidário da família. Seu avô e seu pai faziam parte de instituições filantrópicas. Entretanto, a vontade da religiosa ultrapassava a vontade de ajudar, ela também queria evangelizar.



“Irmã Dulce conheceu a Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, em 1929, quando uma missionária da obra fazia peregrinação pela Bahia. Tentou entrar escondido, sem que o pai soubesse, mas o irmão mais novo a denunciou. Seu pai queria que ela fosse professora”, explica Gouveia.



Entretanto, o cirurgião dentista Dr. Augusto Lopes Pontes não consegui segurar por muito tempo a filha. Para fazer sua vontade, a religiosa até chegou a fazer o curso, mas logo que terminou, aos 20 anos, entrou para a congregação. O nome 'Irmã Dulce' foi escolhido em homenagem à mãe, que morreu quando ela tinha apenas oito anos.



A caminho da santidade



As gestões oficiais para a instalação do processo de beatificação e canonização de Irmã Dulce foram iniciadas em 1999, com a concessão do 'Nihil Obstat', documento que a Santa Sé disponibiliza decretando não existir impedimento para a introdução da causa.



Em 2000, foi realizada a abertura do Processo Canônico sobre a sua vida, virtudes e fama de santidade. A graça obtida pela intercessão de Irmã Dulce, em 2003, foi examinada primeiramente no Brasil e reconhecida pelos peritos médicos como um caso que não pôde ser explicado pelos meios da ciência. Os peritos e os cardeais da Congregação para as Causas dos Santos foram unânimes no reconhecimento deste milagre, constando que se tratava de um caso extraordinário de cura.



Em abril de 2009, foram reconhecidas suas virtudes heroicas e ela foi declarada Venerável pelo Vaticano. Em junho de 2010, seu corpo foi exumado e transferido junto às suas relíquias, últimos atos antes da beatificação – que acontece no próximo dia 22, em Salvador (BA).



Leia mais

.: Veja a cronologia dos trabalhos sociais de Irmã Dulce

.: Saiba qual é o caminho para se tornar santo

.: Conheça os santos e beatos do Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário